17.9.07

Momentos XIV

Tem tanta coisa aqui dentro de mim que eu não sei por onde começar. Ele diz que eu não sei priorizar. A minha matemática é ligeira, somo 1 mais 1 e dá 4. E eu tenho certeza que tá certo. E tá mesmo. Eu sinto necessidade de silenciar. E silencio e escuto o meu barulho. Meu barulho sou eu e não sou eu. E depois o que sobra? Sobra a Vida, a Paz, a Serenidade e algo muito muito maior do que eu e do que ainda conheço. Gosto deste desafio. E o meu silêncio me faz me escutar e estar do meu lado, cuidando de mim. Há momento para tudo, é só encontrar a hora certa. Ela sempre vem. O interessante é que neste movimento de identificação e de auto-conhecimento, mais eu mesma sou e aos poucos menos deixo de ser, ao mesmo tempo que existo. Insano, mas lúcido.

Um comentário:

Lu Lopes disse...

Ana, interessante esse texto... as pessoas aprenderiam tanto consigo mesmas, se depois de ouvir os outros, não tivessem medo de ouvir a si mesmas e ao seu silêncio...!!
Mas, quando o medo de estar apenas consigo mesmo é bastante, as pessoas não se dão atenção!!!
Nossas forças melhoram muito, quando aprendemos a estar com nosso silêncio e sem medo!

beijoooo
Lu